Online

NA CARA DURA: "A Lei do Amor" mais parece CÓPIA de "A Usurpadora" da Televisa

As atrizes Vera Holtz e Paola Bracho (João Miguel/TV Globo - SBT/Reprodução)

Quando descobriu que a irmã gêmea boa, Paulina, havia, afinal de contas, gostado de tomar o seu lugar ao lado de seu marido, coisa a que a obrigou para tirar umas férias de casa e levar uma louca vida paralela, Paola Bracho, a super vilã de A Usurpadora, desatou a bolar os planos mais efervescentes para separar o novo casal. Pois foi um plano maquiavélico digno de Paola Bracho, a abjeta personagem de Gabriela Spanic na quase clássica trama mexicana, que se viu no capítulo desta quinta-feira de A Lei do Amor, trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari que estrou nesta semana na faixa das 9 da Globo.

Para fazer jus a Paola, A Lei do Amor – ou seria La Ley del Amor? – conta com Magnólia, a católica hipócrita que tirou o marido da melhor amiga para viver uma vida de luxo e riqueza em São Dimas, a fictícia cidade da Grande São Paulo onde se desenrola a história. Vivida por uma Vera Holtz caracterizada não com os looks diferentões que exibe na internet, mas com uma perucona loira que reluz como o ouro de suas joias, Mag, como é chamada pelos íntimos, arquitetou um plano impiedoso para separar o casal de bonzinhos, ops, pombinhos, Pedro (Chay Suede / Reynaldo Gianecchini), seu enteado, e Helô (Isabelle Drummond / Claudia Abreu), que ameaça as ambições políticas do marido, Fausto Leitão (Tarcísio Meira), pois o acusa de ser responsável pela morte do pai, demitido e posto na cadeia pelo cruel ricaço.

Ao mesmo tempo em que contratou uma secretária para gerir a vida doméstica da família Leitão e, de quebra, seduzir Pedro, acionou a amiga e comparsa Gigi (Mila Moreira) para contratar Helô para a sua agência de modelos. De um lado, portanto, há Suzana (Gabriela Duarte / Regina Duarte) tentando se aproximar do incauto Pedro, enquanto Gigi manda Helô viajar pelo mundo e Mag mente à garota toda vez que ela telefona em busca do namorado. A primeira fase da trama, vale lembrar, se passa nos anos 1990, ainda não há celular para Helô mandar emojis para Pedro.

Nesta quinta, cansada de ligar, ligar e ouvir mentiras da falsa Mag – a última era de que Pedro viajaria para uma regata com Suzana e seu sobrinho –, Helô decide cancelar os compromissos de trabalho e voltar ao Brasil. Avisada por Gigi, Magnólia dá um ultimato à hesitante Suzana, que, cheia de pruridos, resiste a seguir as ordens da patroa, mas depende do emprego para sustentar o sobrinho, herança da falecida irmã. E eis que, quando Helô chega à mansão dos Leitão e alcança a porta do quarto de Pedro, o vê dormindo ao lado de uma Suzana seminua, que se instalou ali enquanto o garoto já havia adormecido.

A trilha sonora da novela – em geral boa, vale dizer – acompanhou o dramalhão, com o grave som de um piano subindo enquanto Helô, abalada com a visão que tem à frente, sente as pernas fraquejar e quase cai no chão.

A Lei do Amor está cumprindo o que prometeram os seus autores: está se saindo um dramalhão daqueles. Se isso é ruim? Pergunte aos fãs de Maria do Bairro.

Em tempo: a vingança do público virá pela mesma Suzana: Na segunda fase da trama, que começa nesta sexta-feira, ela será amante de Fausto, o marido da doce e venenosa Magnólia.

Revista Veja

Postar um comentário